Entrar

Questão 25099: Vida obscura Ninguém sent...

Vida obscura Ninguém sentiu o teu espasmo obscuro, ó ser humilde entre os humildes seres, embriagado, tonto de prazeres, o mundo para ti foi neg...



Vida obscura

Ninguém sentiu o teu espasmo obscuro,
ó ser humilde entre os humildes seres,
embriagado, tonto de prazeres,
o mundo para ti foi negro e duro.

Atravessaste no silêncio escuro
a vida presa a trágicos deveres
e chegaste ao saber de altos saberes
tornando-te mais simples e mais puro.

Ninguém te viu o sentimento inquieto,
magoado, oculto e aterrador, secreto,
que o coração te apunhalou no mundo,

Mas eu que sempre te segui os passos
sei que cruz infernal prendeu-te os braços
e o teu suspiro como foi profundo!

SOUSA, C. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1961.

Com uma obra densa e expressiva no Simbolismo brasileiro, Cruz e Sousa transpôs para seu lirismo uma sensibilidade em conflito com a realidade vivenciada. No soneto, essa percepção traduz-se em
Resolver questõesEscolaridadeQuantidade
Interpretação TextualEnsino Médio537
CraseEnsino Médio22
PontuaçãoEnsino Médio20
SintaxeEnsino Médio19
MorfologiaEnsino Médio14
Gêneros TextuaisEnsino Médio13
Funções da LinguagemEnsino Médio13
Estrutura e Formação das PalavrasEnsino Médio11
VerboEnsino Médio11
Tipos de TextoEnsino Médio10
Resolver simuladosEscolaridadeQuantidade
Interpretação TextualEnsino Médio33
CraseEnsino Médio2
Funções da LinguagemEnsino Médio2
TextualidadeEnsino Médio1
NarratividadeEnsino Médio1
Variação LinguísticaEnsino Médio1
Análise da pessoa do espaço e do tempoEnsino Médio1
Estrutura e Formação das PalavrasEnsino Médio1
Classe de palavrasEnsino Médio1
Interpretação de TextosEnsino Médio1