Entrar

Questões de Vestibular: Vestibular CEDERJ

Confira aqui questões de Vestibular CEDERJ para Vestibular grátis com gabarito. Acesse milhares de exercícios com perguntas e respostas resolvidas e comentadas para treinar online. Se preferir, baixe o PDF!

Filtrar questões
💡 Selecione apenas 2 campos por vez e clique em filtrar.


O mercúrio é um metal prateado que, em temperatura ambiente, é líquido e inodoro. Quando a temperatura é aumentada, transforma-se em vapor tóxico e corrosivo. Trata-se de produto perigoso à saúde quando inalado, ingerido ou em contato, causando irritação na pele, olhos e vias respiratórias. Uma forma de obtenção de mercúrio se dá por ustulação do sulfeto de mercúrio II (ou cinábrio) segundo a reação:

HgS + O? ? Hg + SO?

Sabendo-se que o sulfeto de mercúrio II possui 70 % de pureza, a massa de mercúrio produzida pela ustulação de uma tonelada do composto é

A “lei do uso e desuso” defende que o uso constante de determinadas regiões do corpo promove seu desenvolvimento, levando à hipertrofia, enquanto o desuso resulta em sua atrofia. Por outro lado, a “lei da transmissão dos caracteres adquiridos” defendia que as alterações desenvolvidas no corpo de um indivíduo, pelo uso ou desuso, são transmitidas a sua prole.

Ao longo da década de 1870, o biólogo alemão August Weismann realizou experimentos de remoção de caudas de ratos em cinco gerações e comprovou que, ainda assim, seus descendentes nasciam com essa parte do corpo. Essa experiência simples refutava as ideias de que os caracteres adquiridos, pelo uso ou desuso, passam para as gerações futuras, como já fora proposto pelo evolucionista

As pilhas são dispositivos que receberam esse nome porque a primeira pilha inventada por Alessandro Volta, no ano de 1800, e era formada por discos de zinco e cobre separados por um algodão embebido em salmoura. Tal conjunto era colocado de forma intercalada, um em cima do outro, empilhando os discos e formando uma grande coluna. Como era uma pilha de discos, começou a ser chamada por esse nome.

Afirma-se que, numa pilha eletroquímica, sempre ocorre

I   oxidação no ânodo.

II  movimentação de elétrons no interior da solução eletrolítica.

III passagem de elétrons, no circuito externo, do cátodo para o ânodo.IV uma reação de oxirredução.

São verdadeiras apenas as afirmações estabelecidas em:

Com efeito, um dia de manhã, estando a passear na chácara, pendurou-se-me uma ideia no trapézio que eu tinha no cérebro. Uma vez pendurada, entrou a bracejar, a pernear, a fazer as mais arrojadas cabriolas de volatim, que é possível crer. Eu deixei-me estar a contemplá-la. Súbito, deu um grande salto, estendeu os braços e as pernas, até tomar a forma de um X: decifra-me ou devoro-te” (linhas 6-12).

O vocábulo sublinhado expressa a ideia de

TEXTO I
PlebiscitoArthur Azevedo

A cena passa-se em 1890.

A família está toda reunida na sala de jantar.
O senhor Rodrigues palita os dentes, repimpado
numa cadeira de balanço. Acabou de comer como um
5 abade.
Dona Bernardina, sua esposa, está muito
entretida a limpar a gaiola de um canário belga.
Os pequenos são dois, um menino e uma
menina. Ela distrai-se a olhar para o canário. Ele,
10 encostado à mesa, os pés cruzados, lê com muita
atenção uma das nossas folhas diárias.
Silêncio.
De repente, o menino levanta a cabeça e
pergunta:
15 — Papai, que é plebiscito?
O senhor Rodrigues fecha os olhos
imediatamente para fingir que dorme.
O pequeno insiste:
— Papai?
20 Pausa:
— Papai?
Dona Bernardina intervém:
— Ó seu Rodrigues, Manduca está lhe
chamando. Não durma depois do jantar, que lhe faz mal.
25 O senhor Rodrigues não tem remédio senão abrir
os olhos.
(...)
Trecho. AZEVEDO, Arthur. Plebiscito. In: “Contos fora da moda”, Editorial Alhambra – Rio de Janeiro, 1982, pág. 29. Disponível em: http://www.releituras.com/aazevedo_menu.asp. Acesso: em 03 out. 2016.
Arthur Azevedo (jornalista, escritor e teatrólogo) tem em “Plebiscito” um exemplo do tom humorístico e crítico que costumava imprimir a seus textos.“Plebiscito” comprova sua preferência por temas relacionados

Em 1953, Watson e Crick propuseram o modelo de dupla hélice para explicar a interação entre os dois polímeros (polinucleotídeos), que formam a estrutura do DNA. Eles admitiram, ainda, que o processo de duplicação da molécula envolveria a separação dos polímeros unidos por ligações de hidrogênio entre as bases nitrogenadas complementares. Apenas cinco anos mais tarde, Meselson e Stahl elucidaram o mecanismo molecular de duplicação do DNA que precede a divisão celular.

O mecanismo molecular de duplicação do DNA, elucidado por Meselson e Stahl, descreve que cada um dos polinucleotídeos é usado como molde para a síntese de um outro complementar e que, ao final do processo de duplicação, a composição de uma das moléculas de DNA é de:

Dentre os diversos agentes tóxicos, o arsênio é historicamente famoso por se tratar de uma substância muito utilizada na Idade Média para assassinatos com interesses políticos. Podemos até dizer que a morte por arsênio foi a precursora da química forense. Na época, havia uma epidemia desses casos, cuja prevenção era muito difícil, uma vez que óxido de arsênio, As2O3, é um sólido branco, solúvel, sem cheiro e gosto, sendo dificilmente detectado por análises químicas convencionais, o que lhe deu o status de óxido do crime perfeito. Além disso, o óxido de arsênio (III) é um composto muito utilizado na fabricação de vidros e inseticidas. Ele é convertido em ácido arsenioso (H3AsO3 ) em contato com água. Um método para se determinar o teor de arsênio é por meio de oxidação com permanganato de potássio e ácido sulfúrico, conforme equação não balanceada a seguir:

H3AsO3 + KMnO4 + H2SO4 ? H3AsO4 + K2SO4 + MnSO4 + H2O

Sabendo que para 2,000 g de amostra foram gastos 10,00 mL de uma solução de KMnO4 0,05 M, em que ocorre a reação acima completa, em meio de ácido sulfúrico, o percentual de arsênio na amostra é:

A corrupção é, sem dúvida, um dos temas mais recorrentes na imprensa brasileira dos últimos anos. Partidos e políticos são denunciados por desvios de verba, no uso ilegítimo do poder público, com o intento de privilegiar uma empresa ou instituição privada.

No caso brasileiro, a corrupção é um (a)