Entrar

Simulado: Tiradentes: Lista de 10 exercícios com gabarito - ENEM

Marque todas as questões do simulado desta página "Tiradentes: Lista de 10 exercícios com gabarito - ENEM" e clique no botão "Corrigir". Se preferir, baixe o PDF.


1 resolveram
40% acertos
Difícil
0 ótimo
0 bom
1 regular
0 péssimo

(ESA - Adaptado) - O principal personagem da Conjuração Mineira foi Tiradentes, cujo nome de batismo era:  


(Mackenzie) – O fato de ser alferes influiu para transformar-me em conspirador, levado a tanto que fui pelas injustiças que sofri, preterido sempre nas promoções a que tinha direito. Uni minhas amarguras às do povo, que eram maiores, e foi assim que a idéia de libertação tomou conta de mim. (Tiradentes)

As razões da insatisfação do alferes e do povo mineiro em 1789 eram:


(ESA - Adaptado) - A luta entre paulistas e portugueses na região das Minas Gerais no fim do século XVII chamou-se:  


Sobre o grupo que organizou movimento da Inconfidência Mineira, é correto dizer:


(ESA - Adaptado) - A derrama, usada como pretexto para desencadear a Conjuração Mineira, era:


No final do século XVIII, o Antigo Regime e o sistema colonial estavam em crise. Nesse contexto, a Conju­ração Mineira:


(Enem) — Para consolidar-se como governo, a República precisava eliminar as arestas, conciliar-se com o passado monarquista, incorporar distintas vertentes do republicanismo. Tiradentes não deveria ser visto como herói republicano radical, mas sim como herói cívico-religioso, como mártir, integrador, portador da imagem do povo inteiro.

CARVALHO, J. M. C. A formação das almas: O imaginário da República no Brasil.

São Paulo: Companhia das Letras, 1990

I — Ei-lo, o gigante da praça, / O Cristo da multidão!

É Tiradentes quem passa / Deixem passar o Titão.

ALVES, C. Gonzaga ou a revolução de Minas. In: CARVALHO, J. M. C. A formação das almas.

O imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

A 1ª República brasileira, nos seus primórdios, precisava constituir uma figura heroica capaz de congregar diferenças e sustentar simbolicamente o novo regime. Optando pela figura de Tiradentes, deixou de lado figuras como Frei Caneca ou Bento Gonçalves. A transformação do inconfidente em herói nacional evidencia que o esforço de construção de um simbolismo por parte da República estava relacionado


Era óbvia a sedução que o enforcamento do alferes representava para o governo português: pouca gente levaria a sério um movimento chefiado por um simples Tiradentes (e as autoridades lusas, depois de 1790, invariavelmente se referiam ao alferes por seu apelido de Tiradentes). Um julgamento-exibição, seguido pela execução pública de Silva Xavier, proporcionaria o impacto máximo, como advertência, ao mesmo tempo em que minimizaria e ridicularizaria os objetivos do movimento: Tiradentes seria um perfeito exemplo para outros colonos descontentes e tentados a pedir demais antes do tempo.

 (Kenneth Maxwell. A devassa da devassa, 1978.)

O texto permite afirmar que


Leia este trecho, que contém uma fala atribuída a Joaquim José da Silva Xavier:

"... se por acaso estes países chegassem a ser independentes, fazendo as suas negociações sobre a pedraria pelos seus legítimos valores, e não sendo obrigados a vender escondido pelo preço que lhe dessem, como presentemente sucedia pelo caminho dos contrabandos, em que cada um vai vendendo por qualquer lucro que acha, e só os estrangeiros lhe tiram a verdadeira utilidade, por fazerem a sua negociação livre, e levado o ouro ao seu legítimo valor, ainda ficava muito na Capitania, e escusavam os povos de viver em tanta miséria."

(Autos de Devassa da Inconfidência Mineira. 2. ed. Brasília: Câmara dos Deputados; Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1980. v. 5, p. 117.)

A partir dessa leitura e considerando-se outros conhecimentos sobre o assunto, é CORRETO afirmar que os Inconfidentes Mineiros de 1789


(IFF - 2016 - IFF - Vestibular - Primeiro Semestre - Adaptado)

Leia o texto:

“A tentativa de transformar Tiradentes em herói nacional, adequado a todos os gostos, não eliminou totalmente a ambiguidade do símbolo. O governo republicano tentou dele se apropriar, declarando o 21 de abril feriado nacional e, em 1926, construindo a estátua em frente ao prédio da Câmara. Os governos militares recentes foram mais longe. [Uma] lei de 1965 declarou Tiradentes patrono cívico da nação brasileira e mandou colocar retratos seus em todas as repartições públicas. Durante o Estado Novo foram representadas peças de teatro, com apoio oficial, exaltando a figura do herói”

CARVALHO, José Murilo de. A Formação das Almas: O imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. p. 71.

Assinale a alternativa que justifica corretamente a utilização da figura de Tiradentes como herói nacional.


Resolver simuladosEscolaridadeQuantidade
CangaçoEnsino Médio1
Família Real PortuguesaEnsino Médio1
QuilombosEnsino Médio1
Era VargasEnsino Médio1
PolíticaEnsino Médio1
Inconfidência MineiraEnsino Médio1
Segundo ReinadoEnsino Médio1

Deixe seu comentário (0)

Participe, faça um comentário.